Por que você precisa de uma VPN se trabalha com criptomoedas

Os usuários da Internet estão cada vez mais conscientes de proteger sua segurança e anonimato. Vivemos em um mundo digital onde cada vez mais transações econômicas são realizadas online. Uma das mais típicas são as compras online com os nossos cartões de crédito, e depois realizamos as operações bancárias online. No entanto, as operações de criptomoeda estão se tornando populares. Os cibercriminosos não são estranhos a essa nova situação e, às vezes, usam os meios necessários para acessá-los. Neste artigo vamos explicar por que você precisa de um VPN trabalhar com criptomoedas e não ser vítima de roubo.

Por que você precisa de uma VPN se trabalha com criptomoedas

O roubo de criptomoedas, um problema sério

No ano de 2021 vimos como hacks e casos de fraude relacionados a criptomoedas aumentaram para quase atingir 3,000 milhões de dólares. No entanto, embora estejam a ser feitas tentativas para reforçar a segurança, este número de crimes continua a aumentar. Por outro lado, há um interesse crescente em criptomoedas, não apenas para compra ou venda, mas também para investimentos. Além disso, muitos usuários são incentivados a participar porque é baseado na tecnologia blockchain, o que o torna um mercado descentralizado e não regulamentado por ninguém.

No entanto, o mundo das criptomoedas possui muitas ameaças relacionadas a hackers e segurança. Por isso, uma boa ideia é usar uma VPN para trabalhar com criptomoedas e assim poder operar com segurança, como veremos a seguir.

Os riscos das criptomoedas

As criptomoedas podem ser usadas como uma moeda física tradicional e também podem ser usadas para negociação. Nesse sentido, existem inúmeros mercados localizados em diferentes países do mundo que permitem operar com diferentes criptomoedas.

O problema é que as criptomoedas não são regulamentadas e têm seus próprios riscos. Uma delas é que as transações são irreversíveis e não podem ser rastreadas, o que oferece grandes vantagens aos cibercriminosos. Alguns riscos que podemos observar são:

  • Trocas de criptomoedas falsas, por isso é melhor ficar com plataformas confiáveis ​​para evitar problemas.
  • Às vezes, os cibercriminosos instalam software de mineração no sistema da vítima e mantêm toda a criptomoeda para si. Isso é conhecido como cryptojacking.
  • Fraude de gasto duplo em que os hackers fazem uma cópia da moeda e a usam para transações, mantendo o original.

A VPN para trabalhar com criptomoedas

Um equívoco comum é que as criptomoedas fornecem anonimato completo ao usuário, mas isso não é totalmente verdade porque hackers, governos, ISPs e outros podem nos rastrear por meio de nosso endereço IP público.

Portanto, a VPN para trabalhar com criptomoedas é uma boa escolha, pois protege nossos dados online por meio de criptografia e protege nossa identidade. Nesse caso, é como se nossos dados viajassem por um túnel graças à criptografia e nos protegessem de olhares indiscretos.

Graças ao uso de uma VPN, poderemos proteger o tráfego, pois oculta nosso endereço IP público e oculta nossa localização original redirecionando o tráfego para outro local que poderia estar a muitos quilômetros de distância. Eles também nos oferecem proteção contra ataques de phishing, embora seja verdade que só pode fazê-lo parcialmente, bloqueará certas páginas da web que podem ser potencialmente prejudiciais para nós.

Por outro lado, será ocultar nossa atividade do nosso ISP ou provedor de Internet que possa saber quais criptomoedas compramos ou vendemos, a plataforma de negociação que usamos e quando efetuamos login. Além disso, nos permite desbloquear sites comerciais restritos geograficamente com os quais podemos fazer negócios em mais países. Você pode estar interessado em como verificar se sua VPN está funcionando bem.

Quais recursos nossa VPN deve ter

Se quisermos usar uma VPN para trabalhar com criptomoedas, ela deve atender a uma série de requisitos:

  • Melhor que seja pago porque os gratuitos às vezes acabam vendendo suas informações.
  • Que tem o Kill Switch função, na qual, se sua conexão VPN cair mesmo por alguns segundos, ela nos desconectará da Internet para que nossos dados não vazem.
  • Não salve nossos dados de nossa atividade online.
  • Permita o pagamento da assinatura usando métodos de pagamento anônimos, como criptomoedas.
  • Conheça o país de origem da VPN e os países em que opera. A maioria dos principais provedores de VPN são de países sem programas de vigilância em massa, como Ilhas Virgens Britânicas, Suíça e Panamá. Devemos evitar VPNs de países com programas de vigilância fortes, como Estados Unidos, Canadá ou Reino Unido, pois eles podem entregar nossos dados se solicitados por agências de vigilância.

Por fim, algumas VPNs de qualidade que você pode experimentar são NordVPN, Surfshark, CyberGhost, PureVPN e HMA VPN.