O que há de novo na memória GDDR7 da Samsung

Samsung A Electronics, líder global na produção e desenvolvimento de chips, incluindo tecnologia de memória, fez um anúncio significativo hoje. Eles concluíram com sucesso o desenvolvimento da primeira memória GDDR7 (Graphics Double Data Rate 7) do setor, sinalizando que estão prontos para entrar na fase de produção. Esse avanço empolgante significa que em breve poderemos testemunhar o surgimento de placas gráficas equipadas com VRAM de última geração.

Notavelmente, a Samsung também foi pioneira na conclusão do desenvolvimento da memória GDDR6, a tecnologia que usamos atualmente, com a primeira DRAM de 24 Gbps do setor lançada no ano passado. Conforme antecipado, a última geração de GDDR7, que contará com chips de 16 gigabits (Gb), está configurada para fornecer os recursos de maior velocidade vistos até agora. Este marco marca um salto significativo na tecnologia de memória, prometendo desempenho aprimorado e um novo nível de experiências de computação visual para os usuários em um futuro próximo.

Samsung-GDDR7

O que há de novo na memória GDDR7 da Samsung?

O GDDR7 da Samsung representa um avanço notável em circuitos integrados (ICs) e encapsulamento de chips, oferecendo maior estabilidade, especialmente em velocidades muito altas. Com uma largura de banda impressionante de até 1.5 TBps (Terabytes por segundo), o GDDR7 supera o atual GDDR6 em 1.4 vezes, alcançado por meio de uma velocidade por pino de até 32 Gbps.

Samsung GDDR7

A chave para essas melhorias é a adoção de um novo método de sinalização chamado modulação de amplitude de pulso (PAM3) para GDDR7, em oposição ao Non-Return to Zero (NRZ) usado nas gerações anteriores. O PAM3 permite a transmissão de 50% mais dados do que o NRZ dentro do mesmo ciclo de sinalização, aumentando significativamente a largura de banda geral ao transmitir mais dados no mesmo período de tempo.

Além disso, esse design inovador é 20% mais eficiente em termos de energia em comparação com o GDDR6, apresentando um sistema de economia de energia otimizado para operações de alta velocidade. Para aplicativos sensíveis à energia, como laptops, a Samsung oferece uma opção GDDR7 de baixa voltagem, embora os detalhes sobre essa variante ainda não tenham sido totalmente divulgados.

Para atender às preocupações térmicas, especialmente relevantes em placas gráficas, a Samsung emprega um composto de moldagem epóxi (EMC) com alta condutividade térmica para o invólucro. Combinado com uma arquitetura de circuito integrado otimizada que inerentemente gera menos calor, o GDDR7 reduz significativamente a resistência térmica em até 70% em comparação com o GDDR6, garantindo um desempenho ainda mais rápido com menor geração de calor. Esta tecnologia inovadora promete estabelecer novos padrões em placas gráficas, ultrapassando os limites de desempenho e eficiência energética em tecnologias de memória.

Quando veremos gráficos com esta nova memória?

Prever o cronograma exato para a implementação do GDDR7 em placas gráficas é um desafio, pois a Samsung não divulgou nenhum detalhe específico. Como sucessora do GDDR6 e do GDDR6X, é evidente que o GDDR7 desempenhará um papel significativo na evolução da memória gráfica, eventualmente encontrando seu caminho para NVIDIA e AMD placas gráficas. No entanto, o “quando” permanece incerto.

Ambos os fabricantes já têm suas próximas gerações de placas gráficas em desenvolvimento, o que significa que a inclusão imediata do GDDR7 é improvável, já que a Samsung concluiu recentemente o desenvolvimento do GDDR7. Portanto, seu uso na próxima geração de placas gráficas parece improvável.

Placa-mãe PS5 GDDR6

No entanto, assim que os fabricantes de placas gráficas tiverem sua próxima geração pronta, espera-se que o GDDR7 entre em produção em massa, afetando não apenas a Samsung, mas também a Micron, outro importante fabricante de memória. Nesse ponto, podemos antecipar as primeiras placas gráficas com GDDR7.

Realisticamente, se tudo correr bem, podemos esperar que isso aconteça antes de 2025. Mas, como acontece com qualquer desenvolvimento tecnológico, atrasos ou avanços podem influenciar esse cronograma. Portanto, embora o advento do GDDR7 seja certo, o momento exato de sua ampla adoção em placas gráficas permanece uma questão de especulação e prontidão da indústria.