Quebrando o limite de capacidade SSD: a nova tecnologia V-NAND da Samsung

SamsungO recente anúncio da empresa sobre o desenvolvimento de memórias NAND Flash de 290 camadas marca um marco significativo na SSD (unidade de estado sólido).

Este avanço poderia potencialmente resolver algumas das atuais limitações enfrentadas pelos SSDs, particularmente em termos de capacidade de armazenamento.

SSD Samsung

Estagnação nas capacidades SSD

Apesar da ampla disponibilidade de SSDs, suas capacidades estagnaram em grande parte em 4 TB, com alguns modelos estendendo-se para 8 TB. Essa estagnação se deve em parte às restrições físicas e técnicas associadas à atual tecnologia NAND Flash e aos formatos SSD.

Inovação da Samsung com V-NAND de 290 camadas

A nona geração V-NAND da Samsung, que utiliza uma nova técnica de “empilhamento duplo”, permite mais camadas no mesmo espaço físico. Isso não apenas aumenta a densidade de armazenamento, mas também sem um aumento significativo de custos. A técnica melhora a condução elétrica e a eficiência da interconexão entre as camadas, prometendo SSDs mais compactos, eficientes e com capacidade potencialmente maior.

O futuro além das 290 camadas

Olhando para o futuro, a Samsung planeia continuar a ultrapassar os limites com o objetivo de desenvolver memórias NAND Flash de 430 camadas até 2025. Este desenvolvimento poderia potencialmente quebrar o limite atual de 8 TB, oferecendo SSDs de capacidade ainda maior.

Desafios que impedem o crescimento da capacidade SSD

Apesar desses avanços, vários desafios permanecem:

  1. Limitações do fator de forma: O padrão M.2, comumente usado para SSDs, restringe o espaço físico disponível para chips NAND Flash. Esta limitação é crítica porque restringe o número de chips que podem ser colocados dentro de um SSD, limitando assim a sua capacidade máxima de armazenamento possível.
  2. Preocupações térmicas: SSDs de alto desempenho, como aqueles com interfaces PCIe 5.0, enfrentam desafios térmicos significativos que podem afetar sua operação e durabilidade. Esse problema ressalta a necessidade de novos conectores ou soluções aprimoradas de gerenciamento térmico em futuros designs de SSD.
  3. Design de células de memória: Embora tecnologias como QLC (Quad-Level Cell) e o emergente PLC (Penta-Level Cell) possam aumentar o armazenamento por célula, elas também trazem desvantagens. Os PLCs, por exemplo, podem oferecer um aumento de 25% na capacidade de armazenamento em relação aos QLCs, mas ao custo de velocidade e durabilidade reduzidas. Essa compensação os torna menos atraentes para muitas aplicações.

O renascimento da SATA?

A discussão em torno dos fatores de forma do SSD e das limitações do M.2 levou alguns na indústria a sugerir um renascimento da interface SATA. Embora os SSDs SATA sejam geralmente mais lentos em comparação com seus equivalentes PCIe, eles não enfrentam as mesmas limitações de formato e podem oferecer capacidades de armazenamento maiores.

Conclusão

Os mais recentes avanços da Samsung em memória Flash NAND são um desenvolvimento promissor na busca por maiores capacidades de SSD. Contudo, superar os desafios físicos e técnicos exigirá mais do que apenas avanços na tecnologia de memória; pode ser necessário repensar o design e as interfaces do SSD. À medida que a indústria continua a evoluir, o potencial para SSDs maiores e mais eficientes torna-se cada vez mais provável, prometendo possibilidades interessantes tanto para consumidores como para profissionais.